Os intelectuais e o político no Brasil

Jornada de estudos organizada pela associação ARBRE
Paris, Maison de l’Amérique Latine, sexta-feira, 6 de maio de 2011.
217 boulevard Saint-Germain – 75007 Paris (entrada franca)

Fundada em 2006, a associação ARBRE (Association Pour La Recherche sur le Brésil en Europe) surgiu do desejo de realizar um intercâmbio de ideias e informações entre pesquisadores que trabalham sobre o Brasil, ultrapassando as fronteiras disciplinares e locais. Tem como objetivo principal a promoção da pesquisa sobre o Brasil na Europa, através da organização de projetos temáticos, simpósios, mesas redondas ou projetos culturais sobre temas transversais. A cada ano, a associação organiza uma jornada de estudos em parceria com a Maison de l’Amérique Latine de Paris, dedicada a um tema específico e aberta ao público. Essas manifestações anuais contam com a participação de pesquisadores brasileiros e europeus, possibilitam a divulgação da produção científica junto ao grande público e constituem um lugar de encontros e de trocas de ideias. Em 2011, o tema escolhido foi “Os intelectuais e o político no Brasil”.

As relações entre os intelectuais e a política no Brasil sempre foram complexas e ambíguas. Historicamente, a condição de país “periférico”, com elevado índice de analfabetos, uma estrutura patriarcal e autoritária, fez com que desde cedo as elites culturais se atribuíssem o papel de “consciência nacional” e de agente natural na construção do Estado. Após a Independência, os intelectuais, convencidos de sua missão de guiar a jovem nação, traçam uma série de estratégias visando à sua própria valorização. No momento da queda do Império e da instauração da República, eles se destacam na luta contra a incapacidade administrativa das elites políticas e defendem a urgência de uma reforma do Estado. Durante os anos 1920, o ideal cosmopolita que tinha marcado a “Belle Époque tropical” cede lugar a um nacionalismo cultural do qual muitos intelectuais fazem-se paladinos em razão do suposto conhecimento da “realidade” brasileira. A vitória de Vargas em 1930 marca uma ruptura na história das relações dessa elite com o poder, uma vez que, doravante, eles passam a ocupar postos nas mais altas esferas do Estado, o que configura uma união inédita entre as elites políticas e intelectuais. Assim, os regimes autoritários do século XX, o Estado Novo (1937-1945) e o regime civil-militar (1964-1985) puderam contar com o apoio de um setor da inteligentsia, especialmente na elaboração da política cultural.

Há mais de trinta anos, Sérgio Miceli publicava sua tese de doutorado intitulada “Intelectuais e classes dirigentes no Brasil” (1979) e abria um campo fecundo para a pesquisa sobre os intelectuais na área das Ciências Sociais. A sua proposta consistia em estabelecer uma ligação entre as origens sociais e as mudanças observadas no “mercado do trabalho intelectual”, ao longo da primeira metade do século XX. Dez anos depois, e com outra perspectiva metodológica, Daniel Pécaut publicava Entre le peuple et la nation. Les intellectuels et la politique au Brésil (1989). Ao contrário de Miceli, ele focava sua atenção nas motivações estritamente políticas dos intelectuais em detrimento das determinações classistas. Além dessas duas obras de referência, outras pesquisas contribuíram para consolidar a história intelectual brasileira, dentre as quais podemos citar as de Simon Schwartzman, Nicolau Sevcenko, Mônica Pimenta Velloso, Ângela de Castro Gomes e Marcelo Ridenti.

Esta Jornada de Estudos tem o objetivo de reunir pesquisadores europeus e brasileiros que estejam desenvolvendo atualmente pesquisas sobre a história dos intelectuais no Brasil e, mais especificamente, sobre sua inserção na esfera política. Como pensar a relação entre os “homens de letras” e o político na longa duração dos séculos XIX e XX? O que os leva a passar à ação? Ligações de fidelidade original, local, quase instintiva, ou um jogo de princípios mais universal e racional que conduziria uma maneira de se pensar o mundo? A essas questões de caráter geral, sugeridas por especialistas da história dos intelectuais, de Edward Saïd a Gérard Noiriel, podemos acrescentar outras, mais específicas, ligadas ao Brasil. É possível identificar a emergência do intelectual brasileiro como ele foi identificado na França na época do caso Dreyfus? Quais foram as ideias de Nação fabricadas na virada do século XIX para o XX? Como os regimes autoritários de Vargas e dos militares estabeleceram ligações com os intelectuais e quais eram as esferas do aparelho do Estado que requeriam sua colaboração? Quais foram, por outro lado, as formas de contestação intelectual face ao autoritarismo ? Finalmente, com relação ao tempo presente, que tipo de realinhamento podemos observar após a multiplicação das universidades e da ampliação dos cursos de pós-graduação — a vertiginosa expansão da profissionalização — e o fim do regime civil-militar?

Sobre la autora

Autora Iguanae

Anaïs Fléchet
Maître de Conférences en historia
Presidenta de la asociación ARBRE (Francia, París)


Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *