Pierre Deffontaines: Uma carreira americana ao serviço da geografia e da França

Algumas bibliografias científicas parecem bastante estranhas. Nesso contexto, podemos nos questionar sobre as razões que impediram o Professor de geografia Pierre Deffontaines a nunca ter uma careira acadêmica na França enquanto que teve sucesso na Espanha, no Brasil e no Canada[1]. Nesse período, a política cultural francesa na América do Sul representa um desafio importante[2]. Pierre Deffontaines, inscrevendo-se nas políticas culturais da sua pátria, trabalha para o esplendor da França na cena internacional. Emblema da mediação, o seu trabalho íncere-se ao longo da parte central do século XX nas relações culturais internacionais entre o seu país e as Américas[3].

Trazendo geografia humana, ele define-se como defensor da francofonia e disseminador dos valores que pensa representar. Nesse processo, existe um conjunto de influências recíprocas que precisa ser estudado. Ao exportar a cultura francesa, os intelectuais também são influenciados pelos países onde trabalham. Assim sendo, proponho estudar a questão dessas relações culturais do ponto de vista de um dos seus atores para saber precisamente como funcionam esses intercâmbios[4] e mostrar os seus modos de funcionamento, ilustrando alguns aspectos das relações culturais internacionais.

A carreira acadêmica do Professor Francês Pierre Deffontaines é desconhecida, quer do grande público como dos especialistas na França. Se o professor Pierre Deffontaines é mais famoso na Espanha, no Brasil ou no Canadá do que no seu próprio país, as informações ao nosso dispor ainda são bastante incompletas. A primeira razão reside provavelmente no fato de ele nunca ter tido cátedra numa universidade francesa. Além disso, o papel que teve no desenvolvimento das estruturas universitárias nos países onde “exportou” a sua geografia não foi verdadeiramente estudado[5]. Essa questão universitária na França, como nos outros países, pode ser pensada do ponto de vista epistemológico, administrativo e político. Nosso trabalho propõe enfocar as relações científicas e culturais entre a França e os países da América, tanto do Norte como do Sul. A carreira de Pierre Deffontaines é estudada como sendo um exemplo de ator das relações cientificó-culturais num espaço atlântico enriquecido pelos numerosos intercâmbios internacionais. Os seus trabalhos, que conhecem um certo sucesso no Brasil, foram também importantes nos outros países onde ele trabalhou. Em primeiro na Espanha, na Catalunha, onde sua obra é muito bem considerada e estudada com atenção. Mas igualmente na América do Sul, em particular no Uruguai e na Argentina, assim como na América do Norte, no Canadá francófono. Nessa última parte do continente, a sua obra é bastante importante na história da geografia canadense onde a influência francesa foi fundadora[6]. Mostraremos como a sua personalidade e a sua formação inicial constituiram um papel essencial no processo de exportação/importação do saber e do conhecimento. Deslocamento da experiência, experiência do deslocamento. É nesse princípio que reside o seu ofício de geógrafo[7]. Deffontaines não é só um exportador cultural, visto que se encontra também de maneira sensível influenciado pelos países que visita e estuda.

A nossa tese de doutoramento propõe estudar dois períodos e dois espaços geográficos: em termos de períodos, é questão das décadas precedentes à segunda guerra mundial assim como das décadas que lhe seguem. Em termos de espaços, trata-se da América do Sul com o Brasil e da América do Norte com o Canadá. Nesse contexto, Pierre Deffontaines ocupa um lugar peculiar na epistemologia da geografia contemporânea: a figura do mediador.

Um geógrafo no Brasil, um geógrafo do Brasil. Pierre Deffontaines nas missões francesas no período do entreguerras.

Vejamos em primeiro lugar os aspectos a propósito do Brasil. Um grupo de professores franceses, representando as ciências sociais e humanas é chamado para uma cooperação Brasil/Europa para a criação da Universidade de São Paulo (USP). Georges Dumas, médico, eminente professor da Faculdade de Paris, é então um ator primordial dessas relações. Na sua obra encontra-se a origem da primeira missão científica francesa. A primeira duma série que determina duravelmente as colaborações entre França e Brasil. Nos estudos sobres essas missões, é de salientar geralmente as viagens de Claude Lévi-Strauss, de Roger Bastide ou de Fernand Braudel, estrelas francesas no campo das ciências sociais. Mas outros cientistas também passam pelo Brasil, essa ‘‘terra do futuro’’, e Pierre Deffontaines é um deles, mesmo se sua obra não é tão analisada como a dum outro geógrafo, bem mais reconhecido, Pierre Monbeig.

Professores da missão francesa, em 1934, que ajudaram na criação da Universidade de São Paulo (Foto: Acervo Caph/Universidade de São Paulo). Deffontaines de pé, na segunda fila, o quinto a partir da esquerda.

Pierre Deffontaines viaja ao Brasil várias vezes na sua carreira: fundador da cátedra de geografia em São Paulo em 1934 e no Rio de Janeiro entre 1936 e 1939. Regressa novamente para pesquisar ou entreter relações com os seus colegas brasileiros, dar conferências e palestras, participar em vários congressos e explorações geográficas[8]. Alguns aspectos do trabalho administrativo dele já compõem um objeto de pesquisa bem formado. O que necessita ser analisado com cuidado é o seu trabalho científico[9]. A proposta consiste em estudar sua produção como parte integrante das relações culturais internacionais e transatlânticas.

Várias fontes arquivísticas ainda não são utilizadas nesse estudo; e as outras são tratadas dum ponto de vista inovador. Centros de França, de Espanha e de Suíça conservam grandes quantidades de documentos iconográficos, manuscritos, e documentos administrativos. Confrontados com documentos privados e familiares inéditos, pode-se extrair uma leitura original do papel de Deffontaines nas mudanças de modelos culturais entre França e Brasil.

Essas fontes arquivísticas, confrontadas com os documentos brasileiros, permitem pensar de outra maneira o homem e a sua obra na diplomacia cultural francesa. Permitem também verificar a influência de Pierre Deffontaines no Brasil quer na administração como na epistemologia da geografia, medindo o seu impacto. Em contrapartida, as influências brasileiras na sua obra e no seu pensamento, a importância desse país nos seus textos, tornam-se agora visíveis. Trata-se sobretudo de pensar o Brasil como ator, como sujeito atuando sobre o professor e sua prática científica. Atraves desses elementos se pode ler a natureza da cooperação entre a França e o Brasil.

O papel de Pierre Deffontaines na criação duma geografia científica no Canadá francófono.

Essa ação se incere nas mudanças da diplomacia cultural francesa com as Américas como o demonstra a parceria França-Quebeque.

A geografia humana de língua francesa que se desenvolve no Quebeque mais especificamente a partir dos anos 1950 (André Siegfried e Jean Brunhes tinham já viajado no Canadá entre as duas guerras), é uma rica colaboração entre vários geógrafos franceses, Raoul Blanchard, Pierre Deffontaines, Pierre Georges (referindo-nos apenas àqueles que tiveram uma verdadeira obra canadense), e jovens geógrafos do Qebeque como Louis-Edmond Hamelin e Fernand Grenier. A partir da careira de Deffontaines, esta parte do trabalho permite mostrar por um lado as relações entre o homem e a terra no Canadá, mas também por outro lado entre a França e o Qebeque.

Em primeiro lugar, depois da segunda guerra mundial, Pierre Deffontaines começa a lecionar a geografia na Universidade de Laval no Quebeque. Isso ainda não está verdadeiramente estudado. Nesse tempo, do pós guerra, a Europa e a França focalizam os seus esforços na sua própria reconstrução. A cooperação científica com as Américas não constituia mais uma prioridade mesmo se a França permanecia um parceiro privilégiado com o Quebeque. Uma leitura dessas relações atraves do prisma dum dos seus atores, como mediador, torna-se aqui também uma necessidade para melhor as perceber.

Pierre Deffontaines

Aqui como no Brasil, novas fontes permitem ter outra percepção de sua geografia, assim como de conferir a influência do geógrafo sobre este ramo da ciência no Canadá. Vários aspectos da geografia de Deffontaines testemunham de influências quer europeias como americanas, nomeadamente o impacto do território, brasileiro ou canadense, na sua concepção de fazer e escrever a geografia.

Todas essas influências evidenciadas na obra de Deffontaines (geografia, francofonia, e proselitismo catôlico) apresentam a América como ator do jogo nos intercâmbios culturais. O geógrafo atua então num processo de passagem cultural e ciêntifico.

O nosso trabalho, que se inscreve tanto nas relações Norte/Norte como nas relações Norte/Sul, pretende questionar a mestiçagem dos saberes num ponto de vista epistemológico. Nos vários contextos, tentamos mostrar a influência do pensamento do geógrafo Deffontaines, mas também, o peso da cultura desses países sobre todos os elementos da sua obra.

Nesse período, os intercâmbios do antigo mundo com o novo mundo, no campo mais preciso das relações universitárias, encontram aqui um terreno extremamente rico e privilegiado. Os preceitos dados por essas gerações de geógrafos permitem ter uma nova percepção do homem em relação ao seu meio ambiente. Este estudo, histórico e epistemológico sobre a carreira dum geógrafo francês nas Américas, é um exemplo para enfocar a geografia humana francesa dessa época como vetor nas relações culturais internacionais. No caso de Deffontaines, a geografia sempre se liga com a ideia da francofonia e da difusão dum modo de conceptualizar o mundo.

Esse trabalho pretende abrir uma perspectiva comparatista entre várias fases da diplomacia cultural francesa em diferentes regiões do continente americano e em dois períodos em que as relações culturais internacionais têm modos de ação bem diferentes.

Atraves meio século de prática profissional, podem-se ler as influências do trabalho de Deffontaines na exportação da sua geografia assim como o impacto das viagens no seu pensamento. As suas práticas profissionais, sociais e culturais põem em evidência vários aspectos inovadores na sua obra sendo estas ainda mais ilustrativas quando estudadas no âmbito das relações atlânticas.

[As fotografias provem da coleção familiar de Pierre Deffontaines. Agradeço a Agence Universitaire de la Francophonie (AUF) pelo financiamento que me possibilitou viajar ao Brasil. Se originou desta pesquisa um caderno de viagem: « Traces du Brésil », Carnets de voyage, Agence Universitaire de la Francophonie: http://www.auf.org/regions/ameriques/carnets-de-voyage/carnet-antoine-huerta.html]

NOTAS

[1] Claire Delfosse. « Biographie et bibliographie de Pierre Deffontaines (1894-1978) ». Cybergeo, Épistémologie, Histoire, Didactique. 2000, vol. on-line a 9 de Março de 2000, modificado a 2 de Maio de 2007, n° 127.

[2] Ver principalmente Gilles Matthieu; Jean-Marc Delaunay [Préf.]. Une ambition sud-américaine. Politique culturelle de la France (1924-1940). Paris : L’Harmattan, 1991. 254 p. Coll. Recherches et Documents Amériques latines.

[3] Sobre a importância dessa figura do medidador, ver: Olivier Compagnon. « L’Euro-Amérique en question. Comment penser les échanges culturels entre l’Europe et l’Amérique latine ? » Debates. Nuevo Mundo. Mundos Nuevos. On-line a 3 de Fevereiro de 2009.

[4] Para um balanço sobre as problemáticas das relações culturais internacionais: Mônica Leite Lessa, Hugo Rogelio Suppo. « O estudo da dimensão cultural nas Relações Internacionais: contribuções teóricas e metodológicas ». Lessa, Mônica Leite ; Gonçalves, William da Silva (org.), História das Relações internacionais. Teoria e processos. Rio de Janeiro : Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2007. p. 223-250.

[5] Alguns artigos, principalmente brasileiros, espanhóis e franceses tratam da sua carreira, geralmente dum ponto de vista tipicamente biográfico.

[6] Um dos seus alunos, Louis-Edmond Hamelin, demonstrou isso de maneira bastante clara. Ver Louis-Edmond e Colette Hamelin: « Les carrières canadiennes de Raoul Blanchard et Pierre Deffontaines ». Cahiers de géographie du Québec. 1986, vol. 30, n° 80, p. 137-150.

[7] Ver Paulo Cesar da Costa Gomes, Laurent Vidal: « Déplacement des savants, déplacement des savoirs. Le glissement des concepts sur le sol meuble du Brésil. Les exemples de Roger Bastide et Pierre Monbeig ». Bastidiana. Cahiers d’études bastidiennes. 2001, n° 35-36, p. 175-182.

[8] A marcante experiência de pesquisa fez com que Pierre Deffontaines desenhasse a cidade maravilhosa de um jeito  singular: « Uma ascensão, uma obra: a baía de Rio de Janeiro de Janeiro visto do Corcovado por Pierre Deffontaines ». Confins. 2009, n°5 [Imagens comentadas]. <http://confins.revues.org/5645>

[9] Sobre as experiências geográficas de Pierre Deffontaines, ver um texto na revista da Société de Géographie de Québec: « Deffontaines et la géographie : le goût du paysage vu de haut », Bulletin de la Société de géographie de Québec, 2010, vol. 4, n° 1, pp. 5-7.  <http://www.socgeoquebec.org/Site/Bulletin_files/Bulletin%20SGQ%20-%20V4N1_3.pdf>

Sobre el autor

Autor Iguanae

Antoine Huerta
Estudiante de Doctorado
(Universidad de La Rochelle, Francia)


Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *